10 actuações de artistas de todo o mundo vão animar fim-de-semana em Serralves

Partilhar
museu como performance

Foto: Serralves

Segunda edição em Serralves de “O Museu como Performance” apresenta artistas de todo o mundo para um fim-de-semana recheado de performances.

Nos dias 17 e 18 de setembro realiza-se a segunda edição de “O Museu como Performance”, um eixo de programação do Museu de Serralves que sublinha a crescente importância da performance na arte contemporânea. Apresentam-se no Museu e Parque de Serralves dez performances de artistas de várias partes do mundo (Canadá, Brasil, Austrália, Arábia Saudita, Reino Unido, Portugal), ligados a disciplinas artísticas tão diversas como as artes visuais, o cinema, a dança, a música e o teatro, que apontam para novas direções no campo da performance.

Entendido como uma plataforma de apoio à criação e circulação das mais recentes tendências nas artes performativas, este programa apresenta exclusivamente obras recentes, algumas em estreia nacional, e projetos inéditos.

Programa:

Sally Golding + Spatial

17 Set (Sáb), 15h, Sala 14 do Museu

Sally Golding – “Face of an Other”

17 Set (Sáb), 20h no Parque

Sally Golding é uma artista multimédia britânica cuja prática combina a projeção de filmes e composições lumínicas e sonoras e se traduz em performances de cinema expandido e instalações participativas. Em Face of an other a artista recorre a um bizarro processo de acumulação de imagens e sons para explorar noções do grotesco e do sinistro. Estas manifestam-se como projeções fantasmagóricas e fragmentárias no próprio corpo da artista.


Ramiro Guerreiro – “J. W. Thorning emChamarande” e “Portfolio – La Pubblicita”

17 Set (Sáb), 16h e 18h3018 Set (Dom), 15h30 e 17h00, na Biblioteca de Serralves

A prática de Ramiro Guerreiro (Lisboa, Portugal, 1978) analisa as relações entre arquitetura e normativas sociais. Em “O Museu como Performance”, o artista apresenta dois trabalhos: uma conferência-performance, J. W. Thorning em Chamarande, e uma ação, Portfolio – La Pubblicita, que consiste em folhear um livro de grandes dimensões com pinturas sobre tecido produzido especificamente para este fim de semana de performance em Serralves.


Quarto, “DURATIONAL ROPE [CORDA DURACIONAL]”

17 Set (Sáb), 16h30, Sala 14 do Museu (peça duracional com 3 horas)

Quarto, a designação da dupla de artistas Anna Mesquita e Leandro Zappala (Petrópolis, Brasil, 1984; Petrópolis, Brasil, 1975), apresenta a peça Durational Rope [Corda Duracional], que envolve uma fisicalidade extrema entre um corpo e uma corda. Consiste numa exploração performativa na qual a dupla de artistas usa uma corda de 1000 metros de comprimento para testar a capacidade de um corpo.


Cally Spooner, “Damming Evidence Illicit Behaviour Seemingly Insurmontable Great Sadness Terminated In Any Manner”

17 Set, 17h00 e 19h30 + 18 Set, 15h30 e 17h00, Hall do Museu

Cally Spooner (Ascot, Reino Unido, 1983) apresenta a peça Damning Evidence Illicit Behaviour Seemingly Insurmontable Great Sadness Terminated in Any Manner, em que uma cantora lírica interpreta frases muito críticas em relação à mediatização da atualidade que vão surgindo num painel de leds instalado no Museu.


Pedro Lopes “GRAMOPHONE TOPOLOGIES”

17 Set, 17h30, Foyer do Auditório de Serralves

Gramophone Topologies, de Pedro Lopes (Cascais, Portugal, 1986) representa uma rutura com a sua anterior abordagem musical e cria gestos e sons para um outro um gramofone, instrumento precursor de todos os meios de gravação, de todos os instrumentos elétricos e eletrónicos, do discurso do DJ.


Gustavo Ciríaco “GENTILEZA DE UM GIGANTE”

18 Set; 15h30 e 18h30, Sala 14 do Museu de Serralves

Gentileza de um Gigante, de Gustavo Ciríaco (Rio de Janeiro, Brasil, 1969) transporta os espectadores para um mundo em miniatura, recriado sobre uma mesa onde dois performers concebem paisagens através da sucessão de pequenos panoramas.


Mel O’Callaghan “ENSEMBLE”

18 Set, 18h00, Parque de Serralves

Mel O’Callaghan (Sydney, Austrália, 1975) apresenta Ensemble, uma performance em que assistimos à reação de um homem face à violência. Apresentada no Parque de Serralves, a performance cria um quadro impressionante: um homem luta contra a água expelida por uma mangueira de incêndio, sendo empurrado até ao seu limite físico.


JASSEM HINDI & KEITH HENNESSY & EOGHAN RYAN “FUTURE FRIEND/SHIPS”

18 Set; 20h00, Auditório de Serralves

Em future friend/ships, Jassem Hindi, Keith Hennessy & Eoghan Ryan (Jeddah, Arábia Saudita, 1981; Sudbury, Canadá, 1959; Dublin, Irlanda, 1987) recorrem a fragmentos de poesia enraivecida (de Nazik al Malaika e Donna Haraway, entre outros), adereços kitsch, alusões à ficção-científica e movimentos corporais que recriam a energia do punk para proporem um futuro alternativo.

Booking.com
Brunch Esplanadas Restaurantes Tascas e petiscos
7ª edição da rota das tapas
Começa esta quinta feira 7ª Edição da Rota das Tapas Porto

Participação recorde de 37 restaurantes na 7ª Edição da Rota de...

MADE IN Douro é o nome do primeiro vinho da gama MADE IN, projeto que a FAPWINES acaba de lançar no mercado
Made In Douro para o Mundo

MARCA MADE IN ARRANCA COM VINHO TINTO DA REGIÃO DO DOURO,...

A Semana temática “Bacalhau à mesa” arranca dia 10 na Portobeer com pratos a partir dos 9,6€.
5 pratos onde o Bacalhau é Rei no Portobeer

A Semana temática “Bacalhau à mesa” traz uma boa desculpa para...

Dia Internacional do Yoga celebrado com aula gratuita no Porto
Dia Internacional do Yoga celebrado com aula gratuita
de regresso as sunset wine party do the yeatman
Sunset Wine Party do The Yeatman no final de julho
serralves em festa 2017 vão ser 50 horas non stop
Edição de 2017 do Serralves em Festa ganha mais 10 horas
District Offices and Lifestyle recebe o “This is not a Market”,
“This is not a market” reúne marcas de roupa no District